Pular para o conteúdo
Início » Notícias » Terapia cannabica é tema da audiência pública em Goiás

Terapia cannabica é tema da audiência pública em Goiás

terapia cannabica

Encontro discutiu os benefícios dessa terapia para a saúde e suas formas de acesso.

Uma parceria entre a SouCannabis, o vereador Lucas Kitão e o deputado Lucas Calil promoveu uma audiência pública na Alego (Assembleia Legislativa de Goiás). A pauta era sobre os benefícios da cannabis para a saúde e suas várias formas de acesso.

O evento aconteceu no dia 25 de novembro e teve a participação de políticos, profissionais da saúde, equipe da SouCannabis, associações cannabicas, advogados e pacientes.

“Pretendemos neste espaço mostrar para o poder legislativo que a cannabis é uma alternativa terapêutica eficiente, segura e que por isso, precisamos discutir como tornar seu acesso democrático para a população. Estamos tratando de saúde pública”, enfatiza Mariana Dourado, vice-presidente da associação.

Debate sobre terapia cannabica

O vereador de Goiânia, Lucas Kitão, presidiu a mesa de debate representando o deputado estadual, Lucas Calil. Estavam na mesa também o presidente da SouCannabis, Denver Rezende, diretora técnica da SouCannabis e presidente da SBOCAN (Sociedade Brasileira de Odontologia Canabinoide), Endy Lacet.

Representantes da SouCannabis falaram sobre os resultados clínicos que os mais de dois mil pacientes que são atendidos pela associação alcançaram com a cannabis.

“Nosso trabalho é diferenciado pois fazemos o acolhimento das demandas de cada pessoa, encaminhamos para o médico e seguimos acompanhando o paciente até que ele se adapte à terapia com a cannabis. Os resultados são incríveis e seguros, com baixo efeito colateral. Não se trata se a cannabis funciona ou não, precisamos pensar em como torná-la acessível e democrática”, destaca Endy Lacet

Também participaram do debate o médico integrativo e prescritor cannabico, Paulo Fleury, que trouxe sua experiência clínica com a cannabis; terapeutas da associação; pacientes; a advogada e fundadora da plataforma de notícias cannabica True Hemp Community, Thais Saraiva, que falou sobre o potencial econômico do mercado da cannabis e representantes da associação ÁGAPE, defendendo a importância do engajamento político para tornar acessível a cannabis pelo SUS.

Legislação cannabica em Goiás

Os dois políticos que abriram espaço na Alego para esse debate são defensores da causa e já vêm trabalhando em torno dela.

Lucas Kitão é autor do projeto de lei 10611/2021 que foi aprovado pela Câmara de Vereadores. Ele trata sobre o Programa Muncipal de distribuição de cannabis pelo SUS.

Advogados que atuam na ÁGAPE também ajudaram na construção do texto dessa lei.

“Dispõe sobre o Programa Municipal de uso da cannabis para fins medicinais e distribuição, gratuita de medicamentos prescritos a base da planta inteira ou isolada, que contenha em sua fórmula as substâncias Canabidiol (CBD) e/ou Tetrahidrocanabinol (THC), nas unidades de saúde pública municipal e privada ou conveniada ao Sistema Único de Saúde – SUS no âmbito do Município de Goiânia e dá outras providências”, Lei 10611 de 14 de abril de 2021.

Kitão conseguiu também a aprovação do projeto de lei 848/2021 pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara de Municipal de Goiânia. 

“Defende o incentivo às pesquisas, a garantia do suporte institucional e a orientação para as associações sem fins lucrativos, universidades e familiares de pacientes que necessitam de tratamento com medicamentos à base de CBD ou THC”, projeto de lei 848/2021.

O dia 27 de novembro foi instituído como o Dia Municipal da Cannabis Terapêutica no calendário oficial da cidade.

“Esse tipo de diálogo entre a sociedade civil, aqui representada pelas associações, pacientes, profissionais da saúde e o poder público, representado pela Alego é muito importante para encontrarmos o melhor caminho para tornar a cannabis uma alternativa para qualquer pessoa através do SUS. Estamos aqui dispostos a construir esse caminho”, reforça o verador Lucas Kitão.

O Estado não consegue dar suporte diante da demanda de pacientes, são mais de 160 mil pacientes, e as associações acabam cumprindo esse papel acolhendo, forncendo o remédio e acompanhando o tratamento.

“A terapia cannabica já é uma realidade e as associações são responsáveis por atender mais de 100 mil pacientes. É preciso olhar para isso e regulamentar para expandir os atendimentos e tornar o acesso aos remédios algo democrático, com políticas públicas atendidas pelo SUS em parceria com as associações, que já fazem isso”, destaca Pedro Nicoleti, diretor de comunicação da SouCannabis.

Terapia Cannabica, uma luta de todos

Ter a cannabis como alternativa terapêutica disponível no SUS é uma questão de saúde pública. 

Se os resultados clínicos amparados pelas evidências científicas comprovam que a cannabis promove qualidade de vida , é dever do Estado garantir o acesso e fazer valer o direito constitucional à saúde.

“Defender a terapia cannabica não é restrito somente ao paciente e ao médico. É uma forma de tratamento que deveria estar sendo ofertada pelo Estado. É uma defesa da saúde pública, que é um direito previsto na nossa constituição. Uma luta coletiva. Nós vamos continuar engajados, promovendo o debate, espalhando informação, atendendo os pacientes e provocando o poder público pelos nossos direitos. Cannabis Salva Vidas”, afirma Endy Lacet, diretora técnica da SouCannabis.

Querm tiver interesse em assistir a audiência completa é só acessar esse link.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.