Início » Blog » Aplicações da Cannabis na Ginecologia

Aplicações da Cannabis na Ginecologia

Os benefícios da planta como alternativa terapêutica para a saúde da mulher

O uso da cannabis como alternativa de tratamento é um dos mais antigos que se tem registro em documentos históricos e escavações e conta com um passado com mais de 5 mil anos de história espalhados pela China, Ásia, Oriente Médio e África. 

Dentre as aplicações terapêuticas estão as indicadas para a saúde da mulher. Para se ter uma ideia, até o século XIX era comum médicos prescreverem a erva para diversos tratamentos ginecológicos e na obstetrícia.

Porém, com a proibição da planta, os conhecimentos e as práticas medicinais foram se perdendo e foi somente no final do século XX que os estudos e as pesquisas sobre a cannabis foram retomados e revelações esclarecedoras mostraram o quanto essa planta é versátil e tem resultados eficientes para diversas patologias.

O Sistema Endocannabinoide

A razão que explica a versatilidade de aplicações dessa planta foi descoberta na década de 60 e se chama SE – Sistema Endocanabinóide, que faz parte do organismo humano, assim como os outros sistemas: neurológico, fisiológico, endócrino, imunológico, circulatório etc. Esse sistema se conecta diretamente com os componentes químicos da cannabis promovendo a homeostase do nosso organismo, ou seja, o equilíbrio de todas as funções metabólicas. Por isso, o SE é considerado o grande regente da orquestra que faz funcionar o corpo humano.

“O SE produz moléculas muito parecidas com as da planta, as duas principais, o CBD e o THC, ou seja, não gostar de cannabis é como não gostar da gente mesmo”, compara a médica e coordenadora internacional da Academia Americana de Medicina Cannabinoide, Carolina Nocetti.

Isso explica o uso da cannabis na medicina para tratar diversas patologias, pois atua diretamente no principal sistema do nosso organismo.

Cannabis, uma erva medicinal

A ligação entre mulheres e plantas medicinais é registrada pela história, principalmente na figura da mulher chamada de curandeira, feiticeira e bruxa e a cannabis estava presente nos canteiros e nas receitas dos remédios que elas preparavam.

Por seu efeito relaxante, sedativo e anti-inflamatório, há prescrições antigas para dores no parto, dores menstruais e até para melhorar o prazer sexual.

“Ainda no Egito, o papiro Ebers, celebrado como o periódico médico completo mais antigo já descoberto, datando de cerca de 1.500 a.C., aponta uma formulação medicinal onde a Shemshemet (cannabis) deve ser triturada em mel, antes de ser aplicada dentro da vagina para “resfriar o útero e eliminar seu calor”. As propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes bem documentadas da cannabis, provavelmente, desempenharam um papel neste tratamento” – trecho da matéria publicada no  https://www.thegreenhub.com.br/a-primeira-civilizacao-a-usar-cannabis

Hoje, a potência terapêutica da cannabis está embasada na ciência, nas pesquisas que crescem em todo o mundo e nos relatos de pacientes que testemunham a melhora em seus tratamentos. Isso comprova o que a inquisição tentou apagar, o conhecimento e poder das plantas medicinais.

Para a saúde da mulher, a cannabis desempenha resultados seguros e positivos, como alívio da dor, das tensões e do desconforto tanto no período pré menstrual, como na menopausa. É indicada para tratamento de endometriose, câncer de mama e depressão.

“Na parte clínica, o que consigo observar é que os pacientes que iniciam o tratamento com cannabis raramente o abandonam. A cannabis é antes de tudo promotora do bem estar e é nítida a transformação na vida das pessoas que sofriam tanto com tratamentos parcialmente eficazes e com tantos efeitos colaterais”, pontua a ginecologista prescritora cannabica, Mariana Zambelli.

Dentre as formas de uso da cannabis para a saúde da mulher existem os óleos, pomadas e até supositórios, pois a mucosa vaginal, depois do cérebro, tem uma excelente capacidade de absorver as propriedades da planta.

Endometriose: 

Uma doença, que segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), atinge cerca de 7 milhões de brasileiras. Além do diagnóstico ser difícil, as opções de tratamento são baseadas em reposição hormonal e muitas vezes não resolvem a dor que essas mulheres sofrem nos picos agudos da doença.
Recentes descobertas da ciência comprovam que o SE (Sistema Endocannabinoide) é fundamental para o funcionamento saudável do sistema reprodutivo, que está diretamente ligado aos problemas de endometriose. Por isso, a cannabis é uma perfeita aliada para esse tipo de tratamento, pois suas propriedades se conectam ao SE promovendo o equilíbrio do trato reprodutivo, diminuindo a inflamação do endométrio e aliviando as dores causadas pela doença. 

Menopausa:

Alteração de humor, calor excessivo, irritabilidade, ansiedade, insônia e até desconforto muscular estão entre os sintomas mais indesejados para as mulheres que atravessam o período da menopausa. Para regular esse processo a cannabis é uma excelente alternativa, pois ao se comunicar com SE promove a redução do estrogênio e como consequência, os sintomas se amenizam.

Um estudo promovido pela Universidade de Alberta no Canadá, onde a maconha é legalizada desde 2018, revelou que 65% das 1500 mulheres estudadas na província de Alberta afirmaram usar a cannabis para fins medicinais e as que estão na meia idade, optaram pelo uso para aliviar as tensões na menopausa. 

TPM – Tensão Pré Menstrual:

Segundo a revista científica American Family Physician, 80% das mulheres durante o período menstrual se queixam de desconfortos como irritabilidade, sensibilidade nas mamas, náusea, enxaqueca, insônia, dores nas articulações e até febre com calafrios.

A cannabis se mostra eficiente para aliviar esses sintomas

Mariano García de Palau, diretor médico na Kapala Clínic na Espanha, uma plataforma de informação especializada em tratamentos com canabinóides, ressalta que os canabinóides como o THC e o CBD têm efeitos analgésicos, anti-inflamatórios e espasmolíticos quando administrados para sintomas da TPM e no período menstrual.

Câncer de Mama:

É o câncer que mais atinge as mulheres. Dados de 2020 do Instituto Nacional de Câncer revelam que mais de 65 mil mulheres apresentaram a doença. Deste total, pouco mais de 18 mil delas perderam a vida.
Um estudo realizado no Temple University School of Medicine na Philadelphia USA, e que foi publicado em fevereiro de 2014 na British Journal of Pharmacology, “os canabinoides interferem na progressão do ciclo celular, bloqueiam o crescimento celular e induzem a apoptose de células malignas  por inibição das vias de sinalização pró crescimento tumoral”. Ou seja, a cannabis dificulta a progressão da doença, pois combate as células cancerígenas.
Além disso, o uso da planta também é indicado para amenizar os efeitos colaterais causados pela doença e sofridos pela realização da quimioterapia, como náuseas, falta de apetite, cansaço e fraqueza.

Depressão:

Estima-se que em menos de 10 anos será a doença mais comum no planeta. Atualmente, segundo dados da Organização Mundial da Saúde, são mais de 300 milhões de pessoas que passam pela depressão, sendo que para cada homem diagnosticado existem duas mulheres com o mesmo diagnóstico.

O CBD, um dos componentes da cannabis, tem sido um dos mais estudados para o tratamento dos sintomas da depressão e os resultados são promissores. Pesquisadores da Universidade de São Paulo de Ribeirão Preto concluíram em seus estudos que o CBD tem efeitos antidepressivos.

A Universidade do Novo México nos EUA apontou que 96% dos pacientes em tratamento de depressão com cannabis tiveram melhoras de 40% logo após o início do consumo da substância.

“Eu fiz uso de ansiolíticos e antidepressivos por mais de dez anos e quando optei pela cannabis fiz como tratamento complementar ao acompanhamento psiquiátrico e psicológico. Os resultados foram tão significativos na minha vida que como médica comecei a estudar a cannabis para poder ajudar outras pessoas”, conta a médica ginecologista prescritora cannabica Mariana Zambelli.

Parto:
Ao contrário do que se pensa, a cannabis não é contraindicada para gestantes. Os efeitos analgésicos e de relaxamento proporcionados pela planta podem ajudar as mulheres na hora do parto. “Costumo indicar o uso da cannabis para tratar insônia, tensão, dores, ansiedade. Na hora do parto, geralmente uso quando percebo que a parturiente está precisando ultrapassar algum obstáculo interno para parir ou lidar com a dor, como a Cannabis ajuda nessa expansão da consciência de uma forma amorosa e que conecta com o prazer,  é muito bem associada ao parto”, esclarece a parteira tradicional Marcela Flueti.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *