Pular para o conteúdo
Início » Notícias » Como identificar a qualidade dos óleos da cannabis

Como identificar a qualidade dos óleos da cannabis

8 dicas que vão te ajudar a fazer a escolha certa.

No que diz respeito ao uso clínico da cannabis enquanto via de tratamento, a indicação mais comum é do remédio em forma de óleo. Mas, você sabe como identificar a qualidade do produto?

Baixe o PDF resumido com o conteúdo desse artigo!

Antes de mais nada, é importante que o paciente tenha passado por um profissional prescritor de cannabis que vai identificar a patologia e a melhor administração do produto. 

Os óleos são uma combinação do extrato de cannabis, que concentra os princípios ativos extraídos da planta (cannabinoides – entre eles o THC e CBD – terpenos, flavonóides e outras moléculas) e que depois é  diluído em óleo carreador (normalmente óleos vegetais comestíveis como azeite de oliva e óleo de coco), para facilitar a administração e o armazenamento. 

É possível encontrar óleos de expectro completo ou espectro amplo (full spectrum, broad spectrum), mas também de isolados. Saiba a diferença entre eles nesse link.

 Os extratos medicinais de cannabis em geral requerem atenção e precisão na hora de prepará-los. As preparações artesanais dificilmente trazem qualquer informação no rótulo, porém, produtos importados não significam necessariamente maior qualidade, ou que você saiba tudo sobre ele.

Ao total são sete produtos de Cannabis aprovados com base na RDC 327/2019 uma norma que tem permitido que produtos produzidos por empresas certificadas possam ser disponibilizados nas farmácias e drogarias do Brasil. 

Existem alguns fatores que são importantes de serem observados na hora da aquisição do produto.
São eles:

imagem freepick

1) Origem do material.

A variedade da planta cannabis utilizada no preparo do óleo é determinante para o resultado do produto. A genética da planta mostra se terá mais teor de CBD, THC ou de outros cannabinoides. Se o óleo é full spectrum, outros compostos benéficos da planta como os terpenos e flavonoides estão presentes. A quantidade e proporção dos princípios ativos podem ser alteradas pelas características do cultivo, se for o caso de um cultivo caseiro, mas a genética da planta será o fator predominante.

2)Técnicas de Cultivo

Existem muitas técnicas de cultivo de cannabis, seja em ambientes fechados (luz artificial) ou ao ar livre (luz solar). O ambiente fechado permite mais controle da contaminação ambiental, mas pode ser mais propenso a apresentar contaminação por concentração de nutrientes mineralizados. Dê preferência para o produto cultivado de maneira orgânica.

3) Composição do produto

É importante identificar a proporção de canabinóides que cada frasco tem, a mais significativa é a proporção THC:CBD, já que proporções diferentes resultam em efeitos diferentes. Informações sobre outros canabinóides menores assim como terpenos e flavonóides devem ser consideradas sempre que possível, pois influenciam no resultado.

4) Concentração 

A quantidade de extrato original de cannabis ou dos canabinóides principais por mililitro de óleo total no gotero, se chama concentração. É fundamental conhecer essa informação para poder dosificar corretamente. Se o provedor não sabe essa informação, melhor ficar longe deste produto. Normalmente, quanto maior a viscosidade do produto maior concentração terá.

5) Processo de Extração

Existem muitos métodos de extração do óleo. No caso do uso de algum solvente, identificar qual foi usado e como foi feito o processo de remoção desse solvente. Se essa etapa não foi realizada completamente ou se foi usado algum tipo de contaminante tóxicos para estabilizar ou preservar, o produto final está comprometido e pode causar problemas a curto e longo prazo.
Como regra geral, fique longe de produtos extraídos com butano, propano, naftalina, gasolina, álcool desnaturado ou isopropílicos.
Prefira produtos sujeitos a solventes não tóxicos, como álcool etílico, dióxido de carbono de alta pressão, rosin, manteiga ou óleos vegetais em geral, como azeite, gergelim ou coco.

6) Informe-se sobre a procedência do óleo

Não importa se é um grande produtor industrial ou um pequeno produtor artesanal, ambos podem ter boa ou má reputação. Procure referências sobre seu fornecedor e o produto.
Informe-se com outros usuários dos mesmos produtos aos quais você tem acesso.
Encontre um fornecedor acessível e que saiba responder suas perguntas.

7) Testes de Qualidade

Cada lote de óleo de cannabis produzido deve ser testado em laboratório para detectar a presença de contaminantes como bactérias e fungos, de metais pesados ​​ou fertilizantes químicos. As análises químicas também ajudam a entender a proporção de cannabinoides e a presença de outros elementos como terpenos e flavonoides. 

8) Aspectos Físicos do Produto – cor, cheiro e textura 

Normalmente cores escuras significam contaminação, que pode não ser tóxica para o corpo, como por exemplo a clorofila, mas que em todo caso demonstram um produto menos puro, já que nenhum dos elementos ativos da planta tem pigmentação escura.
Uma textura densa pode indicar maior concentração, enquanto uma textura heterogênea significa má distribuição do produto no óleo carreador.
O cheiro pode te ajudar a identificar elementos indesejáveis, se for desagradável, melhor não adquirir. 


imagem freepick

Ainda que o mercado de produtos à base de cannabis esteja se ampliando no Brasil, uma das formas mais eficientes e seguras de garantir a qualidade do óleo é através do autocultivo, pois o cultivador acompanha o processo de produção, desde a origem da semente até sua etapa final, podendo avaliar se tudo está bem feito.

Hoje em dia os Habeas Corpus de Cultivo são uma permissão concedida pela justiça que possibilita ao paciente cultivar cannabis e produzir a medicação em casa. São mais de 200 pessoas que conquistaram na justiça esse direito e os pedidos não param de crescer. Ou seja, cultivar e produzir cannabis já é uma realidade para muita gente.

Saiba mais sobre as vantagens do auto-cultivo nesse link.

imagem freepick

Se você já está se preparando para esse futuro comece a investir em conhecimento.
Temos um curso online, prático, didático, completo e acessível especialmente pra você.

“Auto-cultivo – produção e uso  terapêutico da cannabis”. Para maiores informações vá na aba cursos em nosso site

Marcações:

2 comentários em “Como identificar a qualidade dos óleos da cannabis”

  1. Olá, bom dia!
    Tenho uma dúvida sobre a alteração da coloração do óleo após alguns dias de uso. Frasco recém aberto a cor é verde a após alguns dias fica meio roxinha a cor do óleo. Isso é normal de acontecer?

    1. Pedro Nicoletti Malazartes

      Isso pode acontecer como resultado da oxidação. Já vimos óleos com coloração avermelhada, ainda que não seja comum.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.